Circo

me restou o picadeiro

de onde vejo vazia

a arquibancada

meu leão fugiu

e sou somente um gato

triste pelos cantos

me restou um resto de sorriso

que me ecoa sem parar

pelos ouvidos

da lona rasgada vejo a lua

que como eu

sozinha flutua

no grande circo do universo

só me restou uns versos

de poeta palhaço

eu, acrobata

só me resta

as brechas da alegria

Chega!

chega com seu jeito

virtual

normal

mas que me faz mal

sem saber

sem querer

é porque

você representa

a loucura

a fissura

figura

que desconfigura

meu jeito

meu peito

já tão sofredor

voce com seu olhar

navalha

não falha

me valha

senhora do amor

me controlo

mas rolo depois

sem dormir

voce chega

virtualmente

normalmente

quando to sossegado

e leva o sossego

e nunca chego

perto do quero  e espero

do que é o amor

meu avesso

atravesso sem medo

mas me perco

percorro assim  mesmo

tremendo de amor

voce chega

num sonho

eu quero o real

naturalmente normal

venha perto da lua cheia

pela luz que incide sobre o rio

voce chega como noticia

não alcanço a malicia

que todo amor tem

venha

com a delicadeza

da lua crescente

com toda beleza

que tem o amor

mas voce nunca chega!

Quem

anoiteceu

e quem nessa cidade

sabe que eu

existo

escureceu enfim

e quem nessa terra

sabe de mim

solidão se derrama

janela a fora

luzes sobrevivem

a escuridão

que se espalhou

choveu agora a tarde

mas ninguem viu

lágrima que derramou

quem nesse lugar sombrio

sabe do meu vazio?

agora nem vejo o mar

só um vento a me buscar

não vou

quem vai me amar?

Reflexo

da janela do apartamento

eu vejo a cidade

só mudou a paisagem

não é aquela outra

só a solidão é a mesma

paisagem que não passa

do peito

saudade do que não vivi

parece que perdi qualquer coisa

a vida acontece

lá do outro lado

perto do mar

familias passeam no parque

lá em baixo

eu acho que vou me jogar

esqueço que não sei voar

só me resta rostos virtuais

faces que nunca toquei

onde moram quem fez

estes prédios?

onde mora

quem inventou o tédio?

será que  existe remédio?

a cidade é mais bela na televisão

carros e carros e carros

pra onde eles vão?

e eu , onde quero chegar?

preciso chorar…

 

 

 

Boi

Na sexta-feira santa
lembravam a morte de cristo
matavam o boi
com martelada na testa
no dia sem festa
na sexta-feira santa
boi não levanta
no dia da morte de Cristo
um menino via isto
o boi matavam
o sangue no ar espirrava
uma martelada
na cabeça do menino
que não entendia aquilo
a carne do boi exposta
sábado no mercado
e exposta ali no pasto
a crueldade dos homens
que mataram o boi
que mataram o Cristo
na sexta-feira santa
matavam o boi
matavam o Cristo
coroa de espinho na testa
na sexta-feira santa
que no domingo
levanta

Lugar

nunca pisei na lua

na capadócia

na peninsula iberica

nos estados unidos da américa

nunca fitei o mediterraneo

eu só sonhei

e acordei

onde sempre fui feliz

eu já pisei no muturo

do curral

já me arranhei no laranjal

comi siriguelas no quintal

cai do pé de manga

vi o tapete rosa embaixo do pé de jambo

corri da vaca parida no campo

mergulhei no rio da estrada

busquei água na fonte

subi no monte

admirei tudo

e me bastou

Nota

Heróis

festa para  os heróis

e nada para o que vivem

sóis

glórias aos imortais

e nada aos que são normais

comendas para os importantes

e nada para os retirantes

jantares para os amigos

e nada para matar a fome dos mendigos

missa de sétimo dia

e aos que vivem tristes, revelia

reverencias às autoridades

e indiferença aos que trabalham todo dia

multa aos infratores

regalias aos interventores

coquetéis para os vips

fora os que não tem estirpe